A maldição dos filmes de videogames – MFC Editorial 11

 

A maldição dos filmes de videogames

 

MFC Editorial

 


 

Jogos de videogames são uma das fontes mais importantes de entretenimento hoje. Somente em 2018, a indústria do videogame lucrou 134,9 bilhões em vendas, consolidando a si mesma como uma das formas preferidas de entretenimento para milhares de pessoas do mundo todo.

 

Apesar disso, os jogos não tiveram muito êxito quando se trata de adaptações cinematográficas. No MFC Editorial, analisamos o que está por trás da difícil tarefa de produzir um bom filme baseado nos jogos de videogame.

 

 

A Maldição

 

 

A péssima relação entre filmes e videogames começou em 1993, com o primeiro filme adaptado. Ironicamente, o personagem escolhido foi o mesmo que consolidou, a princípio, a indústria dos jogos no mercado internacional: Mario, o encanador ícone da Nintendo.

 

Super Mario Bros. (1993) foi dirigida por Annabel Jankel e Rocky Morton e protagonizada por Bob Hoskins no papel de Mario e John Leguizamo como Luigi. Apesar de ter sido baseado em um dos videogames mais populares da história, o filme foi um fracasso total nas bilheterias e nas críticas.

 

Os motivos do fracasso do Super Mario Bros. são muitos, porém o mais importante é a transformação que a ideia original sofreu, sendo distorcida o suficiente para se tornar uma caricatura do conceito. O mundo do Mario e seus amigos foi de um reino fantástico colorido cheio de cogumelos à uma distopia sombria de um universo paralelo onde dinossauros evoluíram em seres humanoides.

 

Outros títulos receberam um tratamento similar, embora numa escala menor. São bons exemplos os filmes Lara Croft: Tomb Raider (2001) ou a saga Resident Evil, a qual se afastou gradualmente de sua origem para formar um próprio conceito narrativo, criando uma proposta cinematográfica real. Por outro lado, projetos mais fiéis, como Príncipe da Pérsia: As Areias do Tempo (2010) ou Assassin’s Creed (2016), não se atreveram em mergulhar nos temas propostos pelos jogos, resultando em uma improvisação do videogame e um grande fracasso comercial.

 

Assim se iniciou a maldição dos filmes de videogames, condenados para sempre a fracassarem terrivelmente, até que algum consiga quebrar esta maré de azar.

 

 

Adaptando Jogos de Videogames

 

 

Nos anos 80, a indústria do videogame estava se tornando cada vez mais e mais importante no cenário do entretenimento, evoluindo ano após ano até ser o fenômeno que é atualmente. Pela sua habilidade em contar histórias, criar mundos e, acima de tudo, nos permitir explorá-los, os videogames têm providenciado uma experiência nunca vista antes na indústria do entretenimento. É até mesmo considerado como a décima arte.

 

Não obstante, toda vez que um jogo é adaptado em um filme, o resultado é o mesmo. Apesar de já ter uma base estabelecida de fãs, o nome não parece ser suficiente para garantir a qualidade ou o lucro esperado deste tipo de produção.

 

Diferentemente de livros e HQs, cujos formatos adaptados cinematograficamente tendem a ser grandes sucessos, os filmes baseados nos jogos de videogames geralmente acabam sendo esquecidos. Parte deste fracasso é graças a precária compreensão do formato que pretendem adaptar, suas características e limitações.

 

Enquanto filmes e HQs oferecem, na maioria das vezes, uma experiência narrativa direta, as técnicas usadas nos jogos são diferentes, tendo como pontos principais a interação e a inserção do jogador no mundo e nos cenários desenvolvidos através de uma experiência onde a sua decisão faz a diferença.

 

Detetive Pikachu (2019), estreado recentemente, é um dos filmes adaptados que gerou grandes lucros. Isto se deve, além do valor da franquia, a exploração que o filme fez do universo proposto pelo videogame. Apesar de ter um roteiro básico, Detetive Pikachu arrecadou quase 426 milhões de dólares na bilheteria, sendo, então, considerado bem-sucedido o suficiente para começar a desenvolver sequências, mesmo sem ter atingido o sucesso de filmes como Homem de Ferro (2008) e seu lucro de 586 milhões de dólares.

 

 

Veja nossa resenha do Detetive Pikachu aqui

 

 

Futuro

 

 

Na intenção de se igualar ao êxito de Nintendo, o trailer do novo filme do Sonic, a mascote do SEGA, foi lançado em abril, um mês antes da première de Detetive Pikachu.

 

Após a grande aprovação dos designs realísticos das criaturas em Detetive Pikachu, Paramount Pictures esperava o mesmo resultado de sua interpretação do Sonic. Infelizmente, não conseguiu isso.

 

Uma onda de comentários negativos inundou as redes sociais logo após a revelação do design do Sonic, dentre os quais estavam comentários surpreendentes dos designers originais do personagem. Tamanha foi a magnitude da rejeição do público, que Jeff Fowler, diretor do filme, anunciou, através do seu Twitter, que Sonic seria redesenhado, mudando a data de lançamento de novembro de 2019 para fevereiro de 2020.

 

Este tipo de influência que os fãs tiveram no filme do Sonic é bem comum no mundo dos videogames. Os grandes criadores frequentemente apresentam seus projetos em eventos como o E3, do qual recebem comentários e críticas de seus usuários para possíveis mudanças relevantes. No entanto, é um fato que nunca aconteceu antes no cinema.

 

Por outro lado, os jogos de videogames têm um pouco mais de sorte quando se trata da adaptação para séries de TV. Títulos como Castlevania tem sido moderadamente bem-sucedido e a série do The Witcher, estrelado por Henry Cavill, está em produção.

 

 

Saiba mais sobre a nova série do The Witcher aqui

 

 

Entre outros projetos futuros, está a trilogia de filmes de Metal Gear Solid, um de Monster Hunter, estrelado por Milla Jovovich, a ser lançado em 2020, e um novo filme de animação do Mario, o qual está em desenvolvimento pela Universal e onde o seu criador, Shigeru Miyamoto, atua como coprodutor.

 

A rejeição do design do Sonic foi essencial para os cineastas decidirem fazer uma versão melhor do filme, como acontece frequentemente com os videogames. Apesar da crise, ainda há tempo para ver o que os jogos têm para contribuírem com o mundo dos filmes e se a maldição será finalmente quebrada.