Chernobyl – MFC Resenha 11

 

Chernobyl

 

MFC Resenha

 


 

Após o sucesso sem precedentes de Game of Thrones, HBO demonstra mais uma vez a qualidade da sua produção com Chernobyl (2019), uma nova minissérie que descreve os eventos do acidente nuclear mais grave na história.

 

 

Aproveite nossa resenha do Final de Game of Thrones aqui

 

 

Coproduzida pela HBO e Sky, Chernobyl foi criada por Craig Mazin, conhecido por ter escrito filmes de comédia como Todo Mundo em Pânico 3 (2003) e Se Beber Não Case II (2011). Mazin surpreendeu o mundo com a qualidade do seu roteiro para os cinco capítulos que compõem a minissérie, todas dirigidas pelo sueco Johan Renck, cujo trabalho também inclui episódios das séries Breaking Bad, The Walking Dead e Bates Motel.

 

Chernobyl proporciona uma jornada através dos eventos, causas e efeitos de um dos momentos mais importantes da nossa história, cujas consequências estão vivas até hoje. A série faz uma descrição emocionante da magnitude e da gravidade do evento, nos permitindo a ver o mais alto nível do governo soviético através de personagens bem desenvolvidos e conhecer a dor da população por meio do uso de uma maquiagem digna de prêmios.

 

A lenta progressão de Chernobyl cria uma tensão narrativa que é lidada magistralmente pela cinematografia. A uniformidade na arquitetura soviética reluz com uma imagem não saturada e uma trilha sonora cativante, gerando uma atmosfera altamente apropriada para o tema e o formato.

 

O sucesso de Game of Thrones parecia difícil de se repetir, porém a HBO nos deu Chernobyl, uma obra de arte técnica que se tornou uma das melhores propostas de filmes e séries de 2019 e chegou a receber a melhor avaliação da história. Projetos como Chernobyl conseguem gerar um paralelismo narrativo, em que uma trama cheia de segredos e mentiras nos permite abordar de uma nova forma a nossa relação com a morte e refletir sobre o sacrifício em prol do bem comum.